Google+

24 de out de 2008

Playground: brincando com segurança

Morar em um edifício com área de lazer é a opção para deixar nossos filhos brincando em segurança, já que brincar na rua tem se torndo coisa do passado. Cada vez mais surgem, nas grandes cidades, condomínios que oferecem inúmeras opções para a criançada, mas fique atento existem normas determinadas pela ABNT que devem ser seguidas.

Um estudo feito em 2003, publicado na Revista Latino-Americana de Enfermagem, apesar de antigo, apresenta números que nos leva no mínimo a pensar.

"São comunicados anualmente, em departamentos de emergência nos Estados Unidos da América, cerca de 200.000 acidentes com pré-escolares e escolares, ocorridos em parques infantis. Estima-se que, a cada 2 minutos e meio, ocorra um acidente nesses locais, sendo que 35% destes são caracterizados como graves, e 3% requerem hospitalização. A cada ano, aproximadamente 20 crianças morrem vítimas desse tipo de acidente, tendo como causa primária, em 75% dos casos, a queda do brinquedo associada a lesões cerebrais. Destacam-se, ainda, como conseqüências relacionadas a esse tipo de acidente: fraturas, lacerações, contusões, deslocamentos, amputações, esmagamentos e lesões internas."

As recomendações deste estudo foram baseadas no Plano de Ação Nacional para Prevenção de Acidentes em Playgrounds (EUA) no ano de 2000:
1- Designar a idade apropriada para uso de cada brinquedo do parque infantil. O brinquedo deve possuir identificações que determinem a qual faixa etária é destinado.
2- Instalar superfícies apropriadas em baixo e ao redor dos brinquedos. Essas superfícies devem absorver o impacto e não causar abrasão ou laceração da pele (borracha, produtos de cortiça e de madeira, areia e cascalho fino).
3- Recomendar supervisão adequada para crianças nos parques infantis. As crianças devem ser sempre supervisionadas, principalmente quando estão subindo, balançando e escorregando nos brinquedos.
4- Realizar adequada manutenção dos parques infantis. Sugere-se que haja três tipos de inspeções: a diária, a registrada (realizada a cada 1 a 3 meses) e a inspeção certificada que deverá ser realizada por profissional especializado a cada 8 a 12 meses. Os problemas observados devem ser comunicados imediatamente aos responsáveis pelo parque e, se necessário, ele deve ser interditado.

O playground do seu prédio é realmente um local seguro?

  • O espaço de segurança em torno dos brinquedos deve ser de no mínimo 1,5 m;
  • Os parafusos dever estar embutidos, nos brinquedos de madeira;
  • Estruturas de ferro precisam ser galvanizadsa para não enferrujarem;
  • A tinta deve ser atóxica;
  • Os cantos devem ser arredondados;
  • O piso precisa ser de material que absorva o impacto (grama, areia, borracha);
  • Deve estar longe de garagens, caixas de luz e água;
  • Cuidado na escolha das plantas, algumas são venenosas (comigo-ninguém-pode, copo-de-leite, costela-de-adão).

Escorregador: escada precisa de corrimão e espaço no topo para sentar, parte deslizante deve ser feita de chapa única e material que não acumule muita energia solar para não queimar (plástico ou madeira), parte final deve ser curva para diminuir a velocidade da descida.

Balanço: o espaço deve ser isolado por grade ou cerca, para crianças menores o acento deve ter encosto e proteção lateral.

Gangorra: indicada para menores de 5 anos, a maior altura não deve exceder 1m, o local para sentar de ter um banquinho.

Gira-gira: o espaço deve ser isolado com uma cerca, contra indicado para menores de 2 anos, deve ser baixo, mas não permitir que os pés fiquem presos no chão.

Trepa-trepa: recomendado a partir dos 5 anos, altura máxima 2m, com barras fixas ao solo.

Tanque de areia: profundidade mínima 30 cm, deve ser limpo a cada 3 meses, a areia deve ser trocada a cada 2 anos, cobrir a noite para evitar acesso de animais.

fonte: Caderno Imóveis Folha de São Paulo (12 out 2008)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin