Google+

4 de nov de 2010

Identificando problemas de audição

Cerca de 2%  das crianças em idade escolar possuem deficiência auditiva e necessitam de aparelho para ouvir, segundo a Sociedade Brasileira de Otologia. A perda da audição e a surdez atrapalham o aprendizado e a socialização. Uma criança que não ouve direito, não fala direito e terá dificuldades, por exemplo, na alfabetização.

Quanto mais cedo o problema de audição for identificado maiores as chances de tratamento e menor será o prejuízo. Até os 3 anos o aparelho auditivo apresenta uma certa maleabilidade e depende de estímulos para amadurecer. O ideal é identificar o problema até os três meses e iniciar o tratamento até os seis. Hoje é feito, por força da lei, a triagem auditiva neonatal (teste da orelhinha), que permite identificar alguns problemas ainda na maternidade.
A criança pode nascer com problemas ou desenvolvê-los. Doenças adquiridas pela mãe durante a gravidez, como rubéola e toxoplasmose, podem causar surdez, mas são cada vez mais raros.
90% dos casos de surdez na infância decorrem de problemas na cóclea, estrutura que transforma o som em impulso elétrico, pode haver também algum problema no cérebro que dificulte a interpretação do som.

Tipos de surdez
  • Congênita genética: um defeito nos genes faz com que a criança nasça com um problema auditivo.
  • Congênita adquirida: a mãe tem infecções como rubéola ou toxoplasmose durante a gravidez, que repercutem no desenvolvimento do aparelho auditivo do feto.
  • Perinatal: um problema durante o parto causa a perda auditiva.
  • De transmissão: uma otite, a inflamação do ouvido, ou corpos estranhos provocam uma surdez temporária e reversível.
  • Pré-lingual: a surdez aparece quando a criança ainda não sabe falar ou ler.
  • Perilingual: a surdez se manifesta após a criança aprender a falar, mas antes de começar a ler.
  • Pós-lingual: a surdez aparece depois que se aprende a falar e a ler.
Desconfie de problemas auditivos quando

  • Não apresentar o desenvolvimento esperado: para um bebê até quatro meses é se assustar com certos ruídos. Dos quatro aos seis meses começar a procurar os sons movendo a cabeça para os lados. Dos seis aos nove meses começar a balbuciar e reconhecer sons familiares, além do próprio nome.
  • A criança demora a falar
  • Não reage bem a sons muito altos, como o barulho de uma porta batendo
  • Tem dificuldade para entender o que os outros falam
  • Não consegue se comunicar direito ao telefone
  • Aumenta frequentemente o volume do rádio e da televisão
  • Fala muito alto
  • Faz trocas ou comete muitos erros ao escrever
  • Tem problemas de compreensão
  • É hiperativa
  • É distraída e necessita que as ordens sejam repetidas
Na dúvida converse com o Pediatra que fará uma avaliação e poderá indicar a necessidade de procurar um especialista e realizar exames específicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin