Google+

15 de ago de 2017

Como escolher óculos para crianças em idade escolar

As aulas voltaram e é neste momento que os pais prestam mais atenção ao desempenho de seus filhos na escola. Mas, o que poucos se atentam é que, muitas vezes, as notas baixas estão relacionadas a dificuldades para enxergar.

De acordo com o Ministério da Saúde, 30% das crianças em idade escolar no país apresentam algum tipo de ametropia. O dado também é confirmado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), que aponta que de 3% a 10% delas, com idades entre 7 e 10 anos, precisam usar óculos. Já segundo o Ministério da Educação, mais de 22% dos casos de abandono dos estudos são motivados por problemas na visão.
“É necessário observar se há maior dificuldade para reconhecer objetos e pessoas. Franzir muito a testa, apertar os olhos, tropeçar e cair com maior frequência são outros indicativos de que algo não está bem. E, quando isso acontece, compromete a qualidade das interações sociais da criança, e, principalmente, o seu aprendizado na escola”, alerta a médica oftalmologista, consultora da Óticas Diniz, Dra. Liane Iglesias.
No entanto, nem todos os pacientes infantis apresentam esses sinais. “Os erros refracionais podem passar despercebidos por um bom tempo, já que a criança não sabe o que está acontecendo com a sua visão. De maneira geral, hipermetropia, astigmatismo e miopia provocam embaçamento ou turvação na vista, dores de cabeça e cansaço visual devido ao esforço feito para tentar enxergar melhor”, esclarece a especialista. 


Como escolher óculos para crianças em idade escolar


Após a consulta com o médico oftalmologista, a realização de exames e a prescrição para o uso de óculos em mãos, o próximo passo dos pais ou responsáveis é procurar uma ótica. Para uma adaptação rápida, é importante que a criança participe da escolha do modelo para não rejeitar o acessório de imediato.

“O mais indicado é o uso de armações mais resistentes e maleáveis, como acetato ou silicone. Hoje em dia, há muitas opções de materiais e cores e, sem dúvida, vai ter um que vai agradar o seu filho”, esclarece Leandro Escudeiro, gerente de Marketing e Produto da Óticas Diniz.

Verificar como a armação está se ajusta ao rosto é outro fator que deve ser levado em consideração ao escolher óculos. Por serem pequenas, as crianças ainda não têm a base nasal completamente desenvolvida. E, para que o acessório não caia a toda hora, é preciso atenção, já que ele não pode estar nem largo ou apertado demais.

Segundo Escudeiro, motivar o uso dos óculos criando uma rotina para usá-los ajuda a diminuir as rejeições das primeiras semanas. “Explicar a importância de utilizar o acessório para enxergar melhor é fundamental para a compreensão da criança. Colocar os óculos assim que acordar e retirar apenas para tomar banho e dormir também contribui para uma melhor e rápida adaptação”, finaliza.

2 de ago de 2017

Ansiedade Infantil: como identificar os sintomas e ajudar seu filho

A ansiedade infantil, muitas vezes, pode ser confundida com birra ou comportamento típico de crianças mimadas. Porém, há alguns sintomas que, se aparecerem em conjunto, podem caracterizar o transtorno. De acordo com Sarah Lopes, psicóloga do Hapvida Saúde, as crianças que têm medo, roem as unhas com frequência, sentem vergonha, têm impaciência e medo de dormir sozinho no seu quarto, fazem xixi na cama, têm fobia escolar e que sempre querem estar perto dos pais são aquelas que, possivelmente, sofrem de ansiedade infantil.

Todos estes sintomas podem variar de acordo com o gênero e idade da criança, mas a ansiedade infantil geralmente afeta pessoas de 6 a 8 anos de idade, fase que elas começam a apresentar autonomia, prejudicando o desenvolvimento e fazendo com que este comportamento seja levado também para a vida adulta. A rotina escolar também é afetada e algumas crianças podem até mesmo perder conteúdos importantes. Já na vida pessoal, pode existir uma limitação e o desenvolvimento de um conceito negativo sobre si mesma, dificultando a sociabilidade.

Ansiedade infantil como ajudar seu filho                       

Para a especialista, o frequente uso da tecnologia é, atualmente, um dos principais fatores para o desenvolvimento da doença. Afinal, hoje em dia, os smartphones e tablets são os “brinquedos” preferidos das crianças e é cada vez mais comum encontrá-las entretidas com os aparelhos, tanto no ambiente domiciliar como também nas escolas e lugares públicos. Desta forma, elas se acostumam muito facilmente com o imediatismo e têm cada vez menos paciência para lidar com tudo que demande um pouco mais de tempo e espera.

“Atualmente, percebemos uma pressa nas coisas, nas pessoas, na tecnologia. E com as crianças não é diferente. Entre os brinquedos, acontece um descarte de objetos que facilmente viram obsoletos e perdem espaço para aparelhos tecnológicos. O que falta hoje em dia é mais contemplação. Parar e estar atento ao que se faz no momento presente. Ser presença!”, afirma Sarah.

Para a psicóloga, a percepção dos pais é algo fundamental para o tratamento da ansiedade, que devem ficar atentos aos sintomas e perceber o que é real. Ou seja, caso as crianças não queiram ir à escola, a primeira ação dos pais é verificar se existe algo lá que esteja impedindo o desenvolvimento da criança. “Pode ser a dificuldade de interagir com as outras crianças, dificuldade com o currículo escolar ou até mesmo bullying. Um único quadro, geralmente, não define a ansiedade infantil, são necessários alguns comportamentos para que o diagnóstico seja preciso”, ressalta Sarah.

A especialista explica que o comportamento dos pais também pode motivar a ansiedade dos filhos. “Não se diz que é hereditário, mas os pais transmitem este comportamento. Para a terapia cognitiva comportamental, somos frutos do meio, assim, se os pais apresentam comportamento ansioso, os filhos vão entender que é assim que o mundo funciona. São os pais os primeiros transmissores de como devemos ver, ouvir e agir diante das situações”, afirma.

O transtorno pode ser tratado de acordo com a intensidade da ansiedade e idade da criança. A família também deve ser avaliada e, se for o caso, também tratada. Atualmente, a terapia cognitiva comportamental trabalha de forma positiva com essas crianças, fazendo com que percebam aos poucos o que conseguem fazer e o quanto as ideias negativas atrapalham o seu desenvolvimento.

28 de jun de 2017

Dicas para não deixar a pele do bebê ressecar no inverno

A pele do bebê é muito sensível e pode sofre ressecamento na época do inverno. A hidratação da pelo do bebê nos dias frios é fundamental para evitar que esse ressecamento.  

Isso acontece porque a pele na primeira infância é dez vezes mais fina que a de um adulto e também ainda está passando por adaptações e desenvolvimento no ambiente fora da barriga da mamãe.


6 dicas para não deixar a pele do bebê ressecar no inverno


Dê banho morno e não quente – A água quente pode ressecar a pele do bebê, o ideal é que ela esteja entre 36 e 37 °C, mesmo em dias muito frios. Para evitar a friagem o ideal é manter o ambiente no qual o banho será dado aquecido.

Dê bastante líquido para o bebê – Assim como os adultos, os pequenos também precisam ingerir bastante líquido. A água ingerida é eliminada no suor, urina e respiração, por isso, é importante repor o líquido perdido para que o corpo não fique desidratado e a pele ressecada.

Proteja a pele do bebê das agressões climáticas – Não deixe o bebê exposto ao vento forte e ao sol. Quando a temperatura cai, o vento frio pode ressecar a pele e os lábios do pequeno. Abuse de gorros e luvas!

Mantenha o ar da casa úmido – Em regiões com o ar mais seco ou um ambiente ressecado pelo uso de aquecedores e ar condicionado, o ar pode ser umedecido com o uso de um umidificador de ar, toalhas molhadas penduradas ou um balde com água no ambiente, nesse último caso somente para bebê muito pequenos, pois há risco de afogamento.

Use óleo e hidratantes corporais para ajudar na hidratação – O óleo forma uma película protetora sobre a pele que impede a perda de água. Já o creme hidratante possui substâncias que penetram na pele, fato que garante a hidratação. Ambos precisam ser neutros e específicos para crianças. É recomendado aplica-los até três minutos após o banho para não reduzir o efeito hidratante.

Use produto neutro, específico para bebês – Suaves e com aromas sutis, os sabonetes líquidos têm uma composição ideal para a pele do bebê. Eles podem ser usados sempre, até por crianças maiores em casos de sujeira em pouca quantidade. Depois dos seis meses de idade, um shampoo feito com substâncias recomendadas para os fios é o suficiente e ajuda o não ressecamento da pele e o couro cabeludo da criança.

Via: Alô Bebê

14 de jun de 2017

A importância do odontopediatra na vida de uma criança


A Odontopediatria vem ganhando cada vez mais importância num cenário em que, aos 12 anos, mais da metade dos brasileiros tem uma ou mais lesões de cárie. Ao longo do tempo, inclusive, houve toda uma transformação do papel do odontopediatra. Muito mais do que um cirurgião-dentista “com jeito para lidar com crianças”, trata-se de um profissional que tem sob sua responsabilidade, em grande parte, todo o desenvolver de um comportamento que poderá resultar em um adulto com dentes saudáveis.

Os cuidados com a dentição infantil começam ainda na gestação. Cabe ao odontopediatra orientar as mamães sobre o que podem fazer – desde incorporar novas rotinas de higiene e alimentação, até mudar determinados hábitos nocivos à dentição das crianças – para que seus filhos nasçam com tendência a formar dentes fortes e saudáveis. A periodontite (inflamação na gengiva), por exemplo, vem sendo associada ao nascimento de prematuros e a recém-nascidos com baixo peso. Sendo assim, tudo começa já nos cuidados com a gestante.



Ainda há muitos pais, infelizmente, que também desconhecem a importância de tratar da saúde bucal da criança desde seu nascimento. Consideram que dente de leite não tem importância porque vai cair mesmo e que a preocupação em levar o pequeno ao cirurgião-dentista começa por volta dos oito a dez anos. Mas isso é um grande engano. Hoje, o odontopediatra tem uma nova perspectiva sobre a primeira dentição. Ao cuidar desde cedo dos dentes da criança, estimulando-a à correta higienização já nos primeiros anos de vida, também está prospectando um futuro mais saudável para essa pessoa.

Vale dizer que existe consenso em preservar o máximo possível os dentes decíduos (primeira dentição) para evitar uma série de problemas, como: desalinhamento resultante da extração precoce de um dente de leite; lesões de cárie que avançam nos dentes permanentes quando não tratadas logo na dentição provisória; infecções; problemas que resultarão na necessidade futura de um tratamento ortodôntico etc. Além do aspecto preventivo, tratar os dentes desde a primeira infância possibilita eliminar um dos grandes obstáculos que encontramos ainda hoje: muito adulto tem “medo de dentista”.

Quando a criança se acostuma a frequentar desde cedo o consultório odontológico, incorpora isso naturalmente à sua rotina e passa a tratar o cirurgião-dentista como os demais profissionais de saúde, a exemplo do pediatra. Mais do que isso, crianças acostumadas desde cedo a cuidar da saúde bucal tratam a todos como amigos, desenvolvendo uma saudável relação de confiança. Afinal, há toda uma preocupação por parte dos odontopediatras em receber essas crianças de forma lúdica e acolhedora. Oferecer um ambiente colorido, livros e brinquedos para diferentes idades é uma delicadeza que mostra ao público infantil o quanto ele é importante e contribui para deixar as crianças mais à vontade, mais calmas para compreender o porquê dos procedimentos clínicos.

Ao transformar os cuidados com a saúde bucal numa experiência agradável para a criança, o odontopediatra contribui para que ela cresça cuidando bem dos dentes e se alimente corretamente – o que resultará num adulto com boa saúde bucal, com baixa incidência de cárie e outros problemas resultantes da falta de cuidados e escovação apropriada. Uma das primeiras medidas é advertir os pais de que a criança jamais deve ser colocada para dormir com a mamadeira no berço ou na cama. Apesar de parecer familiar para a maioria das pessoas, isso está errado. Seja a fórmula que for, ou ainda um suco, se a criança não higienizar a boca logo depois de mamar, o acúmulo de açúcar contribuirá muito para o aumento de bactérias nocivas na cavidade bucal, levando à formação de lesões de cárie mesmo nos dentes decíduos.

Até mesmo por isso, os odontopediatras costumam avaliar os hábitos alimentares da família e da criança. Por exemplo, alguns pais costumam colocar achocolatados e sucos de caixinha nas lancheiras, mas precisam ser advertidos de que também esses líquidos são prejudiciais à saúde bucal. Da mesma forma que o açúcar presente em doces, pães e bolachas, o açúcar dessas bebidas se transforma em ácido e ataca o esmalte dos dentes, provocando cárie e até mesmo inflamações. Grosso modo, os mesmos cuidados que os pais têm para proporcionar uma alimentação mais saudável a seus filhos e evitar a obesidade infantil – que aumenta de modo alarmante no Brasil, superando problemas como a desnutrição – contribuem para que os menores desenvolvam dentes mais saudáveis e um sorriso bonito.

Finalmente, ensinar crianças e adultos a escovar corretamente os dentes, pelo tempo mínimo necessário para promover uma limpeza ideal da boca, também é papel do odontopediatra – que, com paciência e gentileza, costuma reforçar essa mensagem a cada consulta. Até que a criança atinja três anos, os pais serão orientados sobre a melhor forma possível de promover essa higienização/escovação. Mas, como a coordenação motora é desenvolvida aos poucos, caberá aos pais supervisionar os rituais de limpeza bucal de seus filhos até que completem 10 ou 11 anos. Isto não quer dizer que, depois disso, poderão eliminar a preocupação com a saúde bucal de seus filhos. Ainda caberá aos pais checar o bom estado das escovas de dente, agendar consulta com o cirurgião-dentista para aplicação do selante e vigiar os hábitos de seus filhos.

Ao menor sinal de ranger de dentes, estalar de mandíbula ou permanecer tempo demais com a boca aberta, vale a pena buscar ajuda especializada. Como as crianças costumam adquirir os mesmos hábitos que os adultos, seu comportamento deve ser constantemente avaliado pelo odontopediatra para checar se o excesso de preocupação e estresse não está impactando a formação e saúde dos dentes. Enfim, esse profissional deverá fazer um acompanhamento bastante personalizado até que essa criança se transforme em adulto – de preferência, com um sorriso saudável e bonito.

Por Sandra Kalil
Professora do curso de pós-graduação em Odontopediatria da FAOA – Faculdade de Odontologia da APCD (Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas).


7 de jun de 2017

Brincadeiras para Dia de Chuva: Feijão Ímpar

Feijão ímpar é uma brincadeira para dia de chuva, perfeita. Trata-se de um jogo mental de adivinhação, que não exige espaço, nem equipamentos e vai divertir as crianças por um bom tempo.

É uma excelente oportunidade para treinar o conhecimento das crianças em relação à números pares e ímpares.


Feijão Ímpar

Idade: 6 a 10 anos

Jogadores: 2 ou mais

Objetivo: Adivinhar o número de feijões na mão do jogador adversário para conseguir o maior número de feijões.

Material: 12 feijões crus e um saquinho de papel, para cada jogador.

Jogando...

Cada jogador recebe um saquinho contento 12 feijões crus (o saquinho não deve ser transparente).
Define-se a ordem que cada um irá jogar e senta-se um uma roda. Leia aqui sugestões de pré-jogo.

O primeiro jogador pega no seu saquinho um determinado número de feijões (não vale ser zero!). O segundo jogador tenta adivinhar quantos feijões foram pegos. Se acertar fica com os feijões, se errar dá ao primeiro jogador, o mesmo número de feijões.

Então, o segundo jogador repete o processo perguntando ao terceiro e assim sucessivamente. 

Quem ficar sem feijões fica fora do jogo. 

Ganha quem ficar com todos os feijões.


LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin